quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Quase um mês depois...

A situação não mudou.

Estamos no meio da tabela, sétimo, ou oitavo.

Continuamos fazendo grandes partidas em casa, e pagando vexames enormes fora dela.

Acho que só terei forças para críticas táticas, técnicas e diversas no Gauchão 2010.

2009 foi uma grande derrocada. Mais um ano na fila.

Como bom gremista, não estou gostando nada disso...

terça-feira, 6 de outubro de 2009

E POR FALAR EM FICAR NO CAMINHO...

Já não sei o que dizer.

O Grêmio por vezes me "racha a cara".
Antes que o segundo tempo começasse, ouvi na rádio Gaúcha o seguinte de Tcheco:
"- Não podemos nos jogar para o ataque assim, temos que ter ciência de que estamos em vantagem e devemos tocar mais a bola, segurar o jogo."

Depois disso, tive certeza, não ganharíamos aquele jogo.

Que inferno. Será que não entra na cabeça dos jogadores que futebol é um jogo onde o vencedor é aquele que faz mais gols ? MAIS GOLS.

Não interessa se o adversário é de respeito ou não, o papo é ir para cima e atacar sempre. Afinal de contas, existem dois critérios de desempate que corroboram essa tese: MAIS GOLS FEITOS e SALDO DE GOLS.

E mais, quando estiver sem a bola, MARCAR O ADVERSÁRIO COM VIRILIDADE, a fim de retomar a posse de bola e poder IR PARA O ATAQUE DE NOVO.

Sei lá, ainda dá, com muita sorte e muita vontade. Ainda acredito, diferentemente de alguns que já jogarama a toalha.

Mas, de qualquer forma. Estou entristecido pelo que vem acontecendo com o Grêmio: Perda total de identidade.


FORZA !!!
FORZA GREMIO !!!

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

FICANDO PELO CAMINHO

Está posto que, todos sabemos agora que não há mais chances de título. (Segundo Tristão Garcia as chances após a derrota para o Goiás são de apenas 1%)

Bem, resta-nos nesse intermináável campeonato sem graça agora torcermos para ficarmos no mínimo em quarto lugar (que coisa de derrotado hein!?) ...

Que coisa. Ainda é Setembro. Quer dizer, estamos a três meses do fim do campeonato e sabemos que não seremos campeões; Onde está a graça desse campeonato ? Mesmo quando estivemos nas cabeças no ano passado, ou em outros anos, sempre mantive minha opinião: esse campeonato de pontos corridos é o maio esvaziador de estádios que já tivemos.

Vejo que, por medo dos paulistas, o campeonato será o mesmo até que o SP tenha 15 brasileiros, o Palmeiras 10, o Corínthians 8 e o Santos uns 6... Tipo, nem os cariocas aguentam mais esse formato de disputa.

Agora vamos ficar torcendo para sermos 4º colocado. QUE LIXO. Que deprimente.


Pra fechar:

Não gosto de queimar pratas da casa. Aliás, quem sou eu para fazer isso não é ?
Agora, que contra o Goiás a figura de Willian Thiego foi o buraco, isso não pode ser questionado. Ainda com o passe açucarado para o gol do Felipe, que não desperdiçou. Assim não dá. Thiego não dá. O cara demonstrou um desinteresse tão grande pela partida que acho que não está mais a fim de jogar futebol... Sério...


Até mais,
e
FORZA! Forza Gremio ! Senão não vai dar...

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

AGORA É CONTRA O GOIÁS

Para variar, teremos que parir uma bigorna.

O adversário? O Goiás.
O local ? Serra Dourada.

Gremista que é gremista sabe o que essa pendenga significa. No mínimo, um jogo duríssimo.

Mas se conseguirmos...

Muita coisa pode mudar...

Forza Gremio !

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

ANALISANDO A TABELA

Após a vitória fora de casa, a primeira do campeonato (demorou hein, 23º rodada), cá estou eu a analizar friamente os números da tabela:



E o que vejo nas próximas rodadas é que fora Goiás, Corínthians e Cruzeiro que pegamos fora e são casca grossa, vamos enfrentar o líder Palmeiras e o último campeão, o São Paulo em casa. Com isso podemos fazer a diferença se, arrancarmos pontos fora contra os três primeiros citados, vencermos os jogos em casa contra os dois paulistas e se beliscássemos uma vitória no Beira-Rio no GREnal que vem por aí. Se conseguirmos isso com certeza estaremos brigando pelo título quando faltarão menos de 10 jogos para o fim do campeonato.

Gremistas, estamos no páreo. Deixemos de lado nossas limitações e vamos apoiar nossa equipe em mais essa rusga.
Tenho um palpite, pro Grêmio, esse ano, no mínimo vamos ficar com uma das 4 vagas da Libertadores. Me cobrem depois.


Forza Gremio !

terça-feira, 8 de setembro de 2009

ALGO TEM QUE SER FEITO

Algo precisa ser feito sobre a situação anímica de alguns de nossos principais jogadores.

Acho que Paulo Autuori começou por Tcheco. Não adianta a torcida ficar brabinha. O cara estava sim precisando de uma injeção de ânimo.

De qualquer forma o jogo contra o Vitória foi um péssimo momento para essas nossas necessidades de experimentar o novo. Afinal, em casa não perdemos há bastante tempo (um ano).

Mas acho que o sacode tem que continuar, e agora o target é Souza. Que figura que desapareceu hein. O cara só aparece na hora dos microfones. Na hora da bola anda sumido. Bem sumido.

Desisti de tentar encontrar os motivos para essa falta de motivação dos dois "dínamos" da nossa equipe. O que eu sei é que do jeito que está vão infectar com essa virose de apatia até os novos contratados.

Digam o que quiserem, eu, como uso esse espaço como bem entendo, vou fazer a minha parte e repetir:

"Enquanto Tcheco estiver no Grêmio, não vamos ganhar NADA !!!!"

E repito, se for necessário, ipsis litteris.



um abraço
Forza Gremio !

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

SOZINHO COM UMA OPINIÃO

Peço desculpas pela ausência. Estive impedido por alguns dias de postar aqui, mas agora tudo resolvido.

Sobre o jogo do Flamengo não vou falar. Seria oportunismo.

E sobre o jogo de ontem ?

Apenas para saber, alguém além de mim viu um time mais aguerrido, com um pouco mais de disposição, com um futebol mais organizado do que o próprio Santos ?

Interessante porque dos últimos 10 jogos que tivemos contra o Santos na vila, ontem foi o único em que não tomamos sufoco. Estivemos organizados, sólidos, com boas atuações de quase todos os jogadores. O único detalhe da nossa equipe é que ela não tem o último passe, o passe para os atacantes, alguém aí vê isso ? Mesmo com alguns chutões ontem o Grêmio assustou o Santos por encaixar a marcação e caras como o Adílson jogaram muito. Claro, o guri tá se firmando, e ontem teve ótima atuação.

Mas tem dois caras escondidos. Souza e Tcheco. Precisamos de dois meias de ligação. Se tivermos, o ataque deslancha. Quer dizer, deslancha com o ataque titular. Jonas não dá. E o Peréa tá visivelmente sem ritmo. Souza e Tcheco TÊM que voltar às suas velhas formas JÁ. Os dois não tem feito NADA. Ocupam espaço e não rendem. Souza só sabe conduzir a bola na intermediária, e ficar virando ela de um lado para outro, ou arriscando os malditos lançamentos e chutes de fora da área extremamente pretensiosos. Tcheco nem isso. Só marca. Túlio progride mais do que Tcheco com a bola.

Mas tem afirmações. Mário Fernandes revelado. Muito bom jogador. Bruno na esquerda consertou o buraco daquele setor tanto com Fábio Santos quanto com Jadílson, o estabanado; Ademais, a colocação da equipe em campo foi boa. Vejo muitas críticas ao Autuori, mas é ele quem está transformando o "bando" deixado pelo Roth em "time". 352 é um equema preguiçoso e o Grêmio estava preguiçoso desde a metade do campeonato do ano passado, o que explica a derrocada final permitindo o título do SP.

O gol do Santos ontem foi questão de puro azar nosso, acontece, o cara tava até marcado, mas a bola foi caprichosa. E olha que sou chato cara. Acho que o Grêmio está perdendo jogos demais. É uma vitória e uma derrota, uma vitória e uma derrota, assim não pegamos nem sulamericana pros reservas ano que vem.

Acompanhe reações a essa minha opinião: http://www.orkut.co.in/Main#CommMsgs.aspx?cmm=22731&tid=5371982752663204223



FORZA GREMIO !!!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

GOLEADA ATRASADA

Esses 4 que colocamos no Cruzeiro tinham que ter aparecido lá na Libertadores...

Tcheco, quando quer, joga hein... e joga muito. Vamos ver até quando vai a nova fase.

E o Autuori ? Não é a primeira vez que vou elogiá-lo, mas não posso deixar de fazê-lo. Esse treinador resolveu nossos problemas de casamata. Agora acho que tá na hora da direção reforçar o time. Precisamos de mais peças. O campeonato é longo e muita coisa pode acontecer.

Agora Palmeiras em SP. Difícil, mas não impossível. Sei que o time vai entrar com muita vontade, vamos ver se seremos capazes de produzir o bastante. Contra o São Paulo o problema foi meio-campo. Temos que nos impor um pouco mais.

Forza Gremio !

sexta-feira, 31 de julho de 2009

FAZ A FALTA TCHÊ !

Por volta de 60 minutos. Por volta de uma hora.

Uma hora jogando, na casa do adversário, sem fazer uma falta sequer ????

O que há com o Grêmio ? Assim que leva o gol, é como se fosse congelado pelo Sub-Zero...

Apatia total ? Falta de vontade ? Salários atrasados ? Medo ? Covardia ?

Tudo de novo ?

Não acredito.

P.S.: Nem vou falar dos dois impedimentos, da circustância do jogo e tudo mais, ok ?!?!

domingo, 26 de julho de 2009

MAIS UMA VIRADA

Sob a batuta dos maestros Souza e Rafa Marques o Grêmio virou mais uma partida e segue invicto no Olímpico há cerca de 10 meses.

Que ótima partida do Grêmio hein ?! O placar apertado de 3x2 não reflete o que foi a partida diante do Santo André, caçulinha do Brasileirão. O time se impôs, conseguiu jogar bem melhor do que diante do Avaí, e a qualidade de Souza, aliada à ótima colocação do Rafael Marques fizeram a diferença.

Tcheco, que não costumo perdoar, apenas para coroar seu momento irregular, teve muito boa apresentação desta feita. Mas o episódio da ciumeira do Maxi López foi algo extremamente lamentável. Depois reclamam quando digo que seu ciclo está acabando. Não só está acabando como o próprio Tcheco sabe disso. Hora de jogar mais, esquecer as "bonitezas" de seus colegas, e investir em uma campanha pró "único-título-importante-ganho-por-Tcheco-no-Grêmio".

De resto. Adílson jogando muita bola. Rafael Marques e Réver (fora deste jogo por suspensão) estão em melhor momento que o Léo. E olha que sou fã do Léo hein. Abre teu olho Léo, se ratear vai parar no banco. Agora vão me matar: Olhem pro futebol do Túlio. Tá fazendo diferença ter um carregador de piano ali no meio hein ?!?!

Forza Grêmio!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

CAMPEONATO DE TUDO, MENOS FUTEBOL

PROBLEMA DE ARBITRAGEM

Hoje sou obrigado a falar sobre um fenômeno que venho presenciando durante os últimos anos de campeonato brasileiro de futebol e que não consigo aceitar. Porém, claro, como não sou nada além de apenas mais um torcedor, minha opinião é o máximo que poderei emitir, aqui pelo blog, para que talvez alguém possa concordar comigo e talvez levar essa idéia mais adiante.

E sobre o quê seria esse fenômeno ? Sobre a arbitragem. A arbitragem em geral de todos os jogos do campeonato brasileiro de futebol. Estamos vivenciando um momento onde os juízes das partidas não mais permitem que as equipes exerçam marcação. O que há ? Querem abolir a marcação ? Querem jogos com resultados de 8 a 5, 9 a 6 ??? Querem que as equipes deixem as outras jogar, sem importuná-las sequer, sem manifestar-se antes da conclusão das jogadas por parte do adversário ??? Se a resposta para essas perguntas for afirmativa, então temos também um outro problema. O nome do jogo. Porque um jogo assim não mais poderá chamar-se futebol.

E daí talvez possamos fazer campeonatos sobre esse esporte novo, o "maricasbol", ou ainda, podemos migrar todos os jogadores e juízes que gostarem da idéia para o voleibol, onde não há o contato físico.

Chega !!!! Deixem-nos marcar o adversário. Aprendam a distinguir uma roubada de bola, ou uma carga de marcação de uma falta real. Vivemos o inferno de Paulo César Coelho, onde a regra é clara, mas ninguém sabe aplicá-la.

Ontem, assisti à derrota do Grêmio para o Avaí, e, convenhamos, o juiz arrumou o jogo. Ouvi no rádio analistas de arbitragem dizer que o juiz foi mal, foi péssimo, mas que o resultado da partida não havia passado por ele. COMO NÃO ? Os nossos atacantes não podem encostar nos zagueiros adversários que é falta. No primeiro tempo o juiz poluiu nossa equipe com cartões quase que gratuitos. Claro, depois disso só restou ao Grêmio marcar à distância, porque se rolasse uma expulsão todos já sabiam como tudo iria acabar. Mas no início da segunda tempo, além de tudo, o juiz passou a marcar faltas que ninguém via. Foi fácil, mesmo com um homem a menos, para o Avaí administrar a pressão que o Grêmio fez pelo empate, pois, bastava jogar-se ao chão para que o juiz assinalasse a falta. Só existe perseguição de arbitragem assim com o Grêmio. Nunca vi "errarem" tanto contra qualquer outro clube.

O FIM DE TCHECO

Infelizmente, aos 33 anos, Tcheco não tem mais o vigor físico necessário para capitanear um time profissional de futebol com a exigência do GRÊMIO. Jogador de técnica refinada, de identificação com grande parte da torcida, autor de gols antológicos e participante de jogos memoráveis envergando a mítica camisa tricolor do Grêmio, infelizmente não consegue mais se impor na meia cancha. E em jogos como esse do Avaí, quando Tcheco afunda, Souza vai junto e o ataque fica isolado. Autuori, para variar já enxergou e identificou. O fim do ciclo de Tcheco com a camisa do Grêmio se aproxima. Podem escrever.


DECLARAÇÕES DOS JOGADORES

— Se continuar com a arbitragem desse jeito, a gente não vai ganhar nunca (fora de casa). O árbitro não deu po*** nenhuma pra nós, pô — reclamou o meia Souza.

— Não dá nem vontade de vir jogar fora de casa. É cada árbitro mais caseiro do que o outro. Ele inverteu faltas o jogo inteiro — afirmou Fábio Santos.

— É difícil jogar desse jeito, com a arbitragem assim. Está virando palhaçada. Parece futebol de “marica”. Toda hora é falta — acrescentou Herrera.

Um dos sete jogadores do Grêmio que receberam cartão amarelo, o atacante Maxi López reclamou do árbitro ainda no intervalo. Na opinião do argentino, o cartão que o deixará de fora da partida de sábado contra o Santo André — é o terceiro dele — foi injusto.

— Foi uma disputa de bola normal e ele me deu cartão. Não entendo. Não entendo — repetiu o atacante.

Além de Maxi López, o zagueiro Réver e o lateral Fábio Santos também receberam o terceiro cartão amarelo e desfalcam o Grêmio na próxima rodada do Brasileirão.




Forza Gremio !

segunda-feira, 20 de julho de 2009

DANEM-SE WORKAHOLICS

Conceito para Workaholic da Wikipedia:

"Workaholic
é uma expressão americana que designa coloquialmente uma pessoa viciada em trabalho. É uma variação da palavra alcoholic (alcoólatra).

As pessoas viciadas em trabalho sempre existiram, no entanto, esta última década acentuou sua existência motivada pela alta competitividade, vaidade, ganância, necessidade de sobrevivência ou ainda alguma necessidade pessoal de provar algo a alguém ou a si mesmo(a).

Como resultado da influência de uma pessoa viciada em trabalho pode-se perceber geralmente alguns fatos interessantes: o primeiro deles é que este tipo de pessoa geralmente não consegue se desligar do trabalho mesmo fora dele, acaba por deixar de lado seu parceiro(a), filhos, pais, amigos. Os seus melhores amigos passam a ser aqueles que de alguma forma tem ligação com seu trabalho.

De outro lado, este tipo de pessoa sofre por trazer para si uma qualidade de vida muito má, pois as pressões do dia-a-dia e a auto-estima exagerada fazem com que este tipo de profissional tenha insónia, surtos de mau-humor, impotência, atitudes agressivas em situações de pressão ou desconformidade (com os resultados que ele esperava) e pode chegar a causar depressão, entre outros efeitos nocivos.

Mas uma das mais severas consequências é o medo de fracassar. Este medo condiciona e impulsiona o viciado a tentar cada vez mais forte e mais concentrado na busca por resultados. (...) "


***
Sob meu prisma:

No Brasil, áreas como a informática, internet e outras áreas administrativo-tecnológicas começam a produzir em grande escala esse tipo de profissional.

Interessante notar que o "viciado" é na verdade muito bem-vindo nas organizações, afinal de contas, ele trabalha de bom grado, o tempo inteiro, até quando está com a família, quando está com amigos, nos fins-de-semana, à noite, e, digamos, até durante o sono. Ele sonha com trabalho. Sindicatos e associações de trabalhadores são instituições desprezadas pelo "viciado".

Tal "viciado" não vê valor nas relações humanas, nem de amizade, nem de fraternidade, nem de nada. Ele não entende que trabalha-se para viver e não que vive-se para trabalhar.

Na maioria das vezes ele é um desaglutinador, porque leva colegas à loucura, empurrando-lhes às horas extras, empilhando tantas necessidades que, o trabalho deixa de ser exequível em seu horário normal de expediente. Não só por isso, mas também porque é aquele que aceita ganhar menos, não ter vínculos, abre mão de seus direitos. Por quê ? Porque ele é acometido desse vício. Mas acho que a palavra vício está mal colocada nesses casos. Afinal, um viciado é um doente. Um workaholic não é bem o que chamaríamos de doente. Ele é, isso sim, UM MALA, UM CHATO, um escravo idiota da sua idéia ridícula de sucesso profissional. Ele pode exibir características até de um antigo conhecido dos meios profissionais, o famigerado "puxa-saco".

Um profissional de sucesso sabe o que é ser profissional, conhece o valor da pessoa humana, sabe o que tem que fazer durante o horário de trabalho, e sabe respeitar os outros e a si mesmo.
Um profissional de sucesso utiliza sua carreira a fim de tornar a sua vida e a dos seus uma vida mais aprazível e condizente com a realidade das necessidades humanas.

Eu me pergunto, depois de viver uma vida de "workaholic", quando você morrer, quem sentirá sua falta ?



CARPE DIEM !!!

domingo, 19 de julho de 2009

VITÓRIA E ALMA LAVADA


Dessa vez a coisa funcionou.

Claro, Nilmar sempre faz questão de cobrar o preço por uma indecisão como aquela do Souza.

Agora, de certa forma fiquei surpreso pela postura do Internacional do papel. No papel, disposto por Tite, o Internacional acreditou realmente que poderia aplicar uma goleada no Grêmio hoje. Por quê ? Porque o Inter do papel é ofensivo, muito ofensivo. É um Inter que não esperaria o Grêmio e especularia no contragolpe.

Mas hoje, o Grêmio teve uma postura mais firme na marcação. Apesar de guardar muita distância do adversário. Essa distância permitiu coisas ruins acontecerem, como a indecisão de um não-zagueiro sobre uma bola espetada na fogueira na frente do atacante adversário. A marcação teria que ser mais adiantada. E o técnico do Grêmio viu isso. Aliás, Autuori vale cada centavo de seus vencimentos. É, sim, inquestionável. A ação dele encorajando o Grêmio marcar mais adiante foi o que fez o jogo mudar para o Grêmio na segunda etapa. Se o Grêmio continuasse como estava no primeiro tempo, provavelmente perderia o jogo.

Mas não, desta feita, o Grêmio tomou atitude, lutou, agiu. e SIM NILMAR, SIM, foram DOIS GOLS DE BOLA PARADA. Azar. Azar o teu Nilmar. Bola parada é do jogo, e nos últimos grenais vocês também locupletaram-se da bola parada.

E o Maxi López então?! Esse cara é O centroavante. Não só pelo gol, mas pela marcação, pela vontade, pela participação. E o cruzamento pro Herrera. Este dessa vez teve azar, ao arrebatar a bola após cruzamento, já vislumbrou o canto, colocou com jeito, mas ela beijou a trave.

Tudo bem. 2 x 1 tá ótimo. E outra, de virada é sempre melhor.

Coloradagem, lamento informar, mas a dura realidade está retornando...

E o Grêmio, subindo.


Grazie Grêmio !

quinta-feira, 16 de julho de 2009

BEM FEITO

Realmente, o Cruzeiro não tinha condições de ser campeão.
Olha, não sei como fomos eliminados... Ah, é, Alex Mineiro...
Ontem de novo...

E o Thiego ? O que houve na cabecinha do guri ? Para quê aquela botinada ?
Entregou o jogo.

Agora tudo é Grenal. Entramos desfalcados do Léo e do Thiego já de cara. E o resto ?

FORZA AUTUORI !
FORZA GREMIO !

sexta-feira, 3 de julho de 2009

DA DESCLASSIFICAÇÃO NA SEMIFINAL

O Grêmio tem um séquito de algozes. Mostram-se cada vez mais acurados na arte de difamar, desmerecer e até mesmo de agir contra o clube.

No fatídico jogo da desclassificação frente ao Cruzeiro, pela Libertadores 2009, um dos maiores algozes de nossa torcida dos últimos tempos mostrou sua cara com força: a Brigada Militar. Era visível o espaço vazio dentro do estádio. Era sabido que o limite de público seria alcançado. A BM não preparou-se no sentido de trabalhar com cidadãos? Ela olhou, isso sim, para o público gremista como inimigo. E faz tempo que ela vem nos tratando assim. Se envergarmos uma camiseta do Grêmio, os brigadianos do entorno do estádio nos tratarão como se fôssemos vândalos, visigodos, ostrogodos ou hunos. Ontem, em um desfile de grosserias e desnecessariedades, a BM fechou portões do estádio em desacordo com a direção do Grêmio. Ouvia-se pelas rádios que a administração do Grêmio reabriria os portões, mas tal possibilidade era negada veementemente pela BM. Dizia-se estar lotado o estádio. NÃO ESTAVA.
O Grêmio precisa de agentes de controle dos portões, e não pode mais depender da Brigada para isso. A Brigada não quer a torcida do Grêmio no estádio. Parece até coisa de colorado. Reprime nossas torcidas, como se fôssemos TODOS marginais. Soube até de mulheres vítimas da truculência "policial". Que vergonha.

Outro dos algozes mais ferozes do Grêmio, ontem, foi juiz, só para variar. O que Oscar Ruiz pensa que fez ontem no estádio Olímpico em Porto Alegre ? Será que só eu vi o aceite à cera técnica, a inversão de faltas, o PENALTY ESCANDALOSO sobre Herrera ainda no primeiro tempo de um Grêmio avassalador e de um Cruzeiro assustado ? Eu pergunto, com o andar da carroagem, se o Grêmio tivesse aberto o placar naquele momento, estaríamos nós amargando essa desclassificação ? Esse juiz foi o mesmo das finais contra o Boca. Ele agiu da mesma forma como da última. Esconde-se atrás de um nome. É um ex-árbitro.

Sobre o time. Quando é que a marcação do Grêmio vai encostar no adversário ? Quando ela vai deixar de cercar e aceitar a jogada do adversário ? Quando Tcheco vai ter vergonha na cara e pedir para ir embora ? Quando alguém vai ter peito de chegar no Souza e mandar ele para a lateral ? Quando vamos contratar dois volantes que saibam sair jogando para evitar A MANIA DE DAR CHUTÃO da nossa equipe ?

RAÇA. Onde está a RAÇA ??? Só a vejo em Maxi e em Herrera, que sã muito mais esforço do que qualidade própriamente dita. Ontem nem Victor conseguiu salvar.
E, será que Autuori deveria mesmo ter modificado a estrutura do time que vinha no 3-5-2 ganhando e se classificando? Talvez jogando no esquema antigo não tivesse levado 3 em BH. Bom, mas isso já começa a ser mera especulação;

Só sei que eu, não sei você, mas eu, TORCEREI MUITO PELO ESTUDIANTES.

Só quero que o Cruzeiro VÁ PARA O INFERNO.

E coloridas, o de vocês, vocês já levaram.


Brasileirão pra nós.
FORZA GREMIO

quinta-feira, 25 de junho de 2009

GOL SALVADOR NO FINAL

A diferença entre ter que fazer dois e ter que fazer quatro é muito grande.
Grêmio 2 x 0 Cruzeiro no Olímpico. Parece algum resultado impossível ?
Na minha singela opinião não.
Dois gols são factíveis, em 90 minutos, tranquilamente.

Com apoio em massa da torcida.
Mas com Herrera, e não Alex Mineiro.

FORZA GREMIO, FORZA !

quarta-feira, 24 de junho de 2009

AUTUORI NO CAMINHO CERTO

Em todas as mídias que tenho acompanhado, o Grêmio tem sido desmerecido por sua campanha invicta aqui.

O Grêmio não tem culpa alguma por sua tabela de jogos. A Libertadores vai se desenhando conforme os times vão se classificando e, mesmo após ter tido a "sorte" de cair no grupo que caiu na primeira fase, só pôde ter essa "sorte" porque foi, de forma competente, segundo colocado no Brasileirão do ano passado e CLASSIFICOU-SE para a Libertadores. Coisa que muito clube não conseguiu.

Depois, caras como Milton Neves et caterva, sempre estão com seus rojões apontados para o lado do Grêmio. Como alguém já disse, o nosso amado Grêmio é o MAIS ODIADO clube do Brasil.

De entendimento superior e conhecimento expressivo sobre o futebol brasileiro, Paulo Autuori não tem deixado-se levar por essas miudezas e trata de passar confiança para equipe, rechaçar a idéia de favoritismo do Cruzeiro e, corretamente, de ajustar o Grêmio à realidade da envergadura de sua camiseta. A idéia que se tem, pela primeira vez no Grêmio nessa altura do mata-mata passa ser a de que temos que VENCER o jogo. Isso vai contra até alguns velhos conselheiros e pessoas míticas dentro do clube, que são derrotistas de plantão e adoram 90 minutos de sofrimento, sempre arriscando demais ao preferir times que se defendam exclusivamente, ou que simplesmente se defendam e especulem no contra-golpe.

Por mais que possamos até, quem sabe, em último caso, amargar uma derrota, a idéia de vencer o jogo é, e sempre foi a mais correta. A história do "vamos lá arrancar um empate", ou "perder de pouco" não condiz com o tamanho do Grêmio, sua história e sua torcida. Depois de muito tempo, me arrisco a dizer, que o Grêmio tem um técnico à sua altura. E ele tem um contrato longo ! Estou otimista. Acredito cada vez mais ao ouvir Autuori. Ele tem a filosofia dos homens vencedores. E, como nós somos aquilo que acreditamos ser, ele é um vencedor. Bom para ele, e agora, bom para o Grêmio.

FORZA GREMIO !


video

segunda-feira, 22 de junho de 2009

PEDREIRAS

O jogo contra o Goiás com certeza foi muito bom para o Grêmio. Aliás, tenho achado muito boa a estratégia do Autuori de mexer o mínimo possível na esquipe nesta hora de poupar o Grêmio.

É importante porque o o Grêmio precisa desses testes fortes, dessas equipes que não respeitam o Grêmio em campo. Porque, no fim das contas, é assim que adversários como o Cruzeiro vão tratar o Grêmio. As cicatrizes de partidas como esse 2 x 2 contra o Goiás no Olímpico, com Maximus López fazendo o gol de empate aos 47 do segundo tempo começam a marcar o time na carne como ferro em brasa, e o tornam forte e experiente para enfrentar situações igualmente complexas na Libertadores e agora, tenho certeza, no mundial interclubes.

Outra coisa muito importante que vi foi que Paulo Autuori já demonstra conhecer o funcionamento das vontades e das habilidades de cada um em nossa equipe. Claro, ele tentou poupar o time, mas vendo que o Goiás ameaçava uma série invicta já de 22 jogos no Olímpico, lançou mão, corretamente, de peças como Jadílson e Maxi, e jogou a equipe para cima do Goiás para obter o gol de empate.

Outra coisa interessante foi o segundo gol do Goiás. Talvez agora a zagueirada não fique dormindo quando da cobrança das faltas pelo adversário.

Bom enfrentamento, uma não-derrota e, ao contrário de alguns corneteiros e/ou comentaristas pessimistas historicamente, acho que a mecânica de jogo chega logo... E o jogo no Mineirão vai ser o primeiro dos melhores jogos do Grêmio neste ano.

Forza Gremio !

quinta-feira, 18 de junho de 2009

CLASSIFICAÇÃO NO EMPATE

O Grêmio, para variar, classificou-se com o regulamento debaixo do braço.

Não sei bem o porquê, mas o jogo de ontem me deixou atônito. O Grêmio não conseguiu apertar o adversário. Não conseguiu articular jogadas ofensivas. Teve no esforço de Maxi López e no segundo tempo depois da entrada de Herrera os únicos momentos interessantes no jogo.

Tcheco, em jogos decisivos, desaparece. Ontem não foi de todo. Houve esforço, marcação. Mas na criação ele está devendo, e muito.
Souza. Ah, o Souza. Onde estava ele ontem ? Em Porto Alegre ? Souza acha que vai ganhar mais do que Máxi sem fazer 1/10 do que o alemão faz em campo ? Vai jogar bola Souza. E se tiver que voltar para Paris, olha, acho que já está podendo ir, não fará falta.
Ruy. Sinceramente, não sei o que há com Ruy. Ele começou o ano bem, mas agora me convence de que era fogo de palha. Ele não marca, não vai ao fundo, não tem vitória pessoal. Um desastre. Thiego já merece a lateral pelo que fez no jogo contra o Flu.
Fábio Santos foi muito bem, melhorou muito, está com muito esforço. O mesmo posso dizer de Adílson, que ontem foi um dos melhores em campo pelo Grêmio. Tulio. Bah, o Tulio é experiente, cancheiro, mas está lento e não tem criatividade alguma no momento do passe. O Grêmio como um todo é um desastre quanto ao passe.

Agora, alguém tem de avisar o Marcelo Grohe, que, apesar de ótimo goleiro, ele é muito ruim na reposição de bola. Um time com Marcelo no gol e necessidade da vitória não vai a lugar algum. Explico: não adianta só repor a bola de chutão. Tem que sair jogando, como fazem goleiros como o Victor. Vejam bem: se você der o chutão, o atacante nunca vai levar vantagem, é só acompanhar o que tem acontecido, se o Máxi ou o Alex Mineiro se degladiarem com os zagueiros pela bola, o juiz SEMPRE, INVARIAVELMENTE, vai dar falta de ataque. Logo, sempre que há o chutão, o time adversário rebate, corta, ou até mesmo domina e inicia o ataque. Ontem, tudo que precisávamos era colocar a bola no chão, fazer triangulações. Lançamentos longos não adiantam de nada nesses momentos. E era só o que o Grêmio fazia.

Não sei, depois de ontem, confesso que estou em dúvida sobre o que vem pela frente. Aliás, quase ia esquecendo, e o Ronaldo hein ? Que golaço...

Forza Gremio !

quarta-feira, 17 de junho de 2009

LOUCOS POR TRI AMÉRICA


FIM DA TRÉGUA

Chamando na metranca !

Eu, que nunca fui dado a acompanhar o clube ribeirinho, invadido pelos meios de comunicação que insistem em me informar sobre o alheio, acabo por assistir cenas de sua torcida e seus jogadores indo até o campo de treinos do "monocopa" alavancar as já exacerbadas vontades venezuelanas para o enfrentamento contra o Grêmio, no Olímpico, às 21:50. Pois bem, digo que chega da trégua que dei aos desafetos desde o início desse Blog. Chega de simplesmente não dizer nada sobre o Internacional, já que as coloridas nunca perdem uma oportunidade sequer para tentar ridicularizar o Grêmio, ou dar força a todo e qualquer adversário que possamos vir a ter.

A segunda copa do brasil do Internacional, se acontecer, será apenas o segundo caneco de uma competição que já vencemos QUATRO vezes e que já não podemos disputar mais, porque sempre estamos na LIBERTADORES DA AMERICA (ou porque a CBF resolveu alijar Grêmio e Cruzeiro dessa competição, já que os dois papavam todas e sempre estavam na Libertadores). Outra coisa que as coloridas já esqueceram-se faz algum tempo, mas que eu nunca vou esquecer é que, NÃO HÁ BEM QUE SEMPRE DURE, NEM MAL QUE PARA SEMPRE PERDURE. Aliás, cheguei a ler em algum lugar que o Grêmio deveria aprender com o inter como ganhar Libertadores. É o cúmulo, os postes estam mijando nos cachorros. NÓS SOMOS BI-CAMPEÕES DA AMÉRICA e já jogamos um sem-número de vezes a mais que o inter essa competição.

Eu quero o Grêmio TRICAMPEÃO DA AMÉRICA e o CORÍNTHIANS CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL. E quero que o monocopa se exploda. Quero que o segundo do estado volte a ser o que sempre foi e que de 2006 para cá faz força para esquecer: um clube médio, de âmbito regional, que se importa mais em ganhar GREnal do que qualquer outra coisa.

Só.
FORZA GREMIO !

quarta-feira, 10 de junho de 2009

A CAIXA DE PANDORA

Como há algum tempo falamos apenas de futebol, venho com ótimo texto falando sobre uma das histórias mais interessantes da antiga Grécia.

"A caixa de Pandora é uma expressão muito utilizada quando se quer fazer referência a algo que gera curiosidade, mas que é melhor não ser estudada (revelada).
Sua origem está relacionada ao mito grego do surgimento da primeira mulher, Pandora, criada pelos deuses para castigar o homem. Ela abriu um recipiente e libertou todos os males que se abateram sobre o homem. Segundo a mitologia a Terra era sombria e sem vida, os deuses e a natureza começaram a dar vida e pôr cada coisa em seu devido lugar, porém faltava um animal nobre que pudesse servir de recipiente para um espírito, essa tarefa ficou incumbida aos Titãs Epimeteu (aquele que reflete tardiamente) e Prometeu (aquele que prevê).
Epimeteu criou os animais dando-lhes todas as características distintas, Prometeu ficou responsável por criar um ser à imagem e semelhança dos deuses. Com isso pegou um pouco de terra e molhou com a água de um rio, obtendo assim argila, foi moldando-a com carinho e dedicação até conseguir uma imagem semelhante à de seus deuses. Porém, o homem estava sem vida, por isso Prometeu pegou todas as coisas boas que seu irmão Epimeteu colocou nos animais e também colocou no homem, mas ainda faltava algo mais forte. Prometeu tinha amizade com uma deusa, Atená, essa com admiração pela obra dos Titãs deu ao homem o espírito que lhe faltava.
Após ter destruído seu próprio pai, Zeus voltou suas atenções para a humanidade recém-criada e dela cobrava devoção, sacrifícios em troca de proteção. A partir do momento em que Zeus e seus irmãos passaram a disputar poder com a geração dos Titãs, Prometeu, mesmo não tendo participado da batalha era visto como inimigo e os seres humanos uma ameaça constante.
Em defesa do homem Prometeu e Zeus se encontraram em Mecone (Grécia) para decidirem os deveres e os direitos da humanidade. Prometeu pediu para que os deuses cobrassem mesmo por sua proteção, para isso teve a idéia de por à prova o poder e a visão justa e clara de Zeus. Matou um belo e imenso touro, partiu-o ao meio e pediu para que os deuses do Olimpo escolhessem uma das partes, pois a outra caberia aos humanos. Porém, ele pôs em um dos montes apenas ossos e cobriu-os com o sebo do animal, esse apresentou ser maior que o outro monte de carne. Com toda sua soberba Zeus escolheu o monte maior, no entanto, ao descobrir que havia sido enganado por Prometeu, decidiu vingar-se dele negando à humanidade o último dos dons que necessitavam para se manterem vivos: o fogo.
Com o objetivo de salvar sua criação, Prometeu roubou uma centelha de fogo celeste e entregou aos homens. Ao perceber que o novo brilho que vinha da terra era fogo, Zeus decidiu se vingar do ladrão (Prometeu) e dos beneficiados com o fogo (a humanidade). Aprisionou Prometeu na parede de um penhasco na montanha caucasiana, com uma corrente inquebrável, todos os dias suas vísceras eram comidas pelas aves, como era imortal durante a noite os órgãos e restituíam e no dia seguinte as aves voltam e comiam novamente, assim era a sua tortura diária. Antes de ser aprisionado Prometeu deixou um recipiente, seu formato não é descrito ao certo, aqui será denominado de “caixa”, com seu irmão Epimeteu, e esse ficou incumbido de ser o guardião da caixa, não permitindo que ninguém se aproximasse dela. Para se vingar do homem, Zeus resolveu criar a mulher com a ajuda dos demais deuses, nela cada um dos deuses pôs uma de suas qualidades, dente elas a beleza e a inteligência e deu-lhe o nome de Pandora. Zeus a enviou de presente para Epimeteu, esse não deu ouvido aos conselhos que o irmão havia lhe dado antes de partir, que era para não aceitar nenhum presente dos deuses, aceitou Pandora.
Ela o seduziu e, após cair na armadilha de Zeus, Epimeteu caiu em um sono profundo, aproveitando-se disso Pandora abriu a caixa e quase todos os males que estavam lá dentro foram libertos, coisas tão ruins a amedrontaram fazendo-a fechar a caixa, porém, o último e mais importante permanecera dentro da caixa, o destruidor da esperança. Por isso a mulher ficou conhecida como o grande mal da humanidade. A história mitológica é um pouco semelhante à bíblica, que narra a criação do homem e da mulher (Adão e Eva), pois nessa a mulher também é a responsável pela desgraça humana."

Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola
http://www.brasilescola.com/filosofia/caixa-de-pandora.htm

sexta-feira, 5 de junho de 2009

O MOTOR ESTÁ ESQUENTANDO...

Sobre a vitória de 3 x 0 sobre o Náutico ontem à noite em Porto Alegre:

Achei que seria um mísero um a zero, mas o time parece que foi se soltando. De um primeiro tempo cheio de erros e medos, para um momento de toque de bola ofensivo, não desistindo de atacar e mesmo depois de ter feito três gols, estar pressionando o adversário em busca de mais gols aos 45, 46 minutos do segundo tempo.

Sim, sim, muito bom. Gostaria de saber quando a máquina vai estar azeitada a ponto de começar as partidas nesse ritmo. Entendo que o Náutico tenha também seu valor, mas, fiquei com a impressão de que quando o Grêmio quis realmente ganhar, ele foi pra cima e fez valer sua vontade.

Sobre o naufrágio de Ruy: Olha, difícil acreditar que o Ruy que tem entrado em campo é o mesmo que jogou as primeiras 5 ou 6 partidas com a camisa do Grêmio. Ele tem se mostrado fora de lugar, parece uma barata tonta, não marca nem apóia, seu setor é uma avenida para o adversário. Seus cruzamentos todos, invariavelmente, tem ido pela linha de fundo, ou passado por cima da área, ou ainda batido nos zagueiros. Tchê, impressionante, ontem, entrou Joílson, fez o primeiro cruzamento, na cabeça do Maxi, que meteu nas redes.

Sobre vaias e marcação da torcida com alguns jogadores: Infelizmente o Souza, ontem, teve motivação nas vaias. Tanto que depois respondeu à torcida. Por vezes acho que as vaias e aquela ruidosa manifestação da torcida quando dos erros GRITANTES dos jogadores não tem como ser evitada. Pensa bem, o cara tá no estádio, ele tá vendo a alternativa e o cara que tá jogando não enxerga. Talvez a vaia o faça mudar. E daí fazer a coisa dar certo.

Acho que andava faltando a vaia. Às vezes ela é importante. Não digo sempre, não estou me referindo aos corneteiros, mas às vezes é importante.

Mas o motor está esquentando. A coisa está encaixando... Paulo Autuori fazendo efeito...

Forza Gremio !

sexta-feira, 29 de maio de 2009

CARACAS !

Muitos com quem conversei acabaram por recriminar a equipe, maldizê-la¹ e pôr em dúvida a confiabilidade do novo técnico.

A massa gremista anda meio ignóbil. Anda meio esquecida. Fases como aquele ano de 2005 desnortearam os gremistas e os fizeram esquecer de tudo que aconteceu até então.

Por favor, a partida contra o Caracas, na Venezuela teve cara de primeira partida de Libertadores para o Grêmio esse ano. Até então, nenhum adversário havia se imposto em campo, feito gol no início e pressionado o Grêmio. Confesso que achei bom.

Achei bom porque isso começa a fazer maturar nossa equipe. É bom que passemos trabalho e que recrudesçamos antes de pegar caras como São Paulo ou Cruzeiro. É bom que aprendamos a levar pressão (e se livrar dela). Ora, ou achavam que a Libertadores fosse feita de mingauzinho docinho até o final ? Acham que vamos ganhar a Libertadores na camiseta, no nome ? Isso não existe.

Campo irregular, adversário faltoso e que contou com a complacência do árbitro durante o jogo, torcida adversária inflamada (literalmente! aqueles sprays de gasolina consomem mais do que o meu Clio), já deu uma bela demonstração da competição, nada a ver com nenhuma das partidas anteriores.

E, no fim das contas, o Grêmio foi muito bem e arrancou um belo empate de 1 x 1 quando eu mesmo já acreditava que a derrota de 1 x 0 seria um bom resultado.

Agora, é esperar pela volta, e domingo, tentar a vingança contra o Vitória, na garganta tricolor desde o fim do ano passado, quando ajudou a nos tirar o título Brasileiro e entregá-lo² ao São Paulo.

FORZA GREMIO !

1 e 2: Como é que vou escrever sem hífen ? A reforma da língua é ridícula e não traz soluções, só problemas.

terça-feira, 26 de maio de 2009

O VOLANTE

A IMPORTÂNCIA DO MEIO-CAMPO

Foi notável na vitória ante o Botafogo, no domingo, a importância de se ocupar bem os espaços do meio campo, a fim de poder empurrar o adversário mais para trás e forçar o ataque.

Vejam, não foi uma das melhores partidas do Grêmio no ano, porém, o Grêmio criou diversas vezes sérios problemas para o Botafogo e só não esteve já vencendo o jogo ao fim da primeira etapa por causa de alguma sorte por parte deste.

Talvez eu esteja vendo demais, mas o ingresso de Túlio, experiente, brigador, e com alguma qualidade na saída de jogo modificou para melhor o setor de meio campo do Grêmio. Não só isso como o visível melhor aproveitamento de Tcheco, que jogou mais solto, com mais desenvoltura, aproximado da área adversária.

Paulo Autuori enxergou rápido, coisas que sequer eram vistas...

Coisas como Douglas Costa. De habilidade incontestável, talvez lhe falte ainda uma maior robustez física, algo que o faça poder enfrentar melhor a zagueirada adversária. De boa visão de jogo e boa participação nos minutos que jogou, criou a jogada do segundo gol e demonstrou ser uma pedra preciosa a ser lapidada.

Agora, com a retomada do caminho da vitória no Brasileirão, voltemos nossas atenções novamente à América, onde o tal Caracas pinta-se como adversário mais valoroso de todos os que já enfrentamos. Veremos, pois, se em campo realmente vai ser.

FORZA GREMIO !

terça-feira, 19 de maio de 2009

PARECE QUE VALEU A PENA

Realmente, conforme eu havia imaginado, valeu a pena aguardar por Autuori. Marcelo Rospide conseguiu levar a equipe adiante, mesmo que com aparente deterioração da mecânica de jogo e do equema tático. Vejam vocês, partiu Marcelo Rospide para uma solução simples: não mexer na equipe. Tudo que eu sempre pedi ao Celso Roth. Em não mexer na equipe, e colocar sempre os melhores para jogar, mesmo sem haver uma organização tática, ou algo próximo disso, Rospide alcançou a seguinte marca: 6 jogos, 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota, e, mesmo assim essa derrota é contestável.

Autuori chega e, por suas declarações nota-se que é o perfil correto para administrar a boleirada tricolor. Nada de descanso, nada de poupanças, nada de chinelinhos. Trabalho, dificuldade, dureza, fadiga, exaustão, desprendimento, dedicação são algumas das palavras que me parecem irão a partir de agora fazer parte do dia-a-dia tricolor. E isso é ótimo. Também foi dito que poupar time não é a dele, MELHOR AINDA, o treinador sabe do que está falando. A repetição da equipe é a única coisa que poderá levá-la à excelência.

Agora, cara a cara, vejo que sim, valeu a pena esperar por ele e o Grêmio estava certo em trazê-lo, em detrimento de outros nomes que não servem sequer para limpar os sapatos de Autuori, isso quanto à experiência e visão de futebol.

Tenho certeza que agora teremos um caminho de vitórias e acerto cada vez maior do nosso time.

Paulo Autuori, SEJA MUITO BEM VINDO !

Forza Gremio !

ESSE ANO EU VOU CONTAR

Esse ano eu vou contar todos os erros de arbitragem que tiraram pontos do Grêmio.

O primeiro equívoco, digamos assim, foi cometido pelo sr. Wilson Luiz Seneme. Infelizmente arbitrando o Campeonato Brasileiro da primeira divisão, esse cidadão meteu os pés pelas mãos durante toda a partida. Não agiu corretamente desde o início, quando administrou de forma errônea a situação da falta dura cometida pelo Souza e, para poder enfrentar as reclamações, baixou o nível e ofendeu os jogadores.

Depois, em duas situações de área quase que idênticas, utilizou de dois pesos e duas medidas para em um momento, não considerar que o zagueiro do Atlético, pressionado por Máxi López, tocou a mão na bola, extendendo a área de seu corpo configurando assim o penalty. Situação semelhante ao zagueiro do Grêmio, que ao tentar dominar bola cruzada acaba por esbarrar na bola com o ante-braço e que, na minha singela opinião, também acaba por cometer a infração.

Dois penalties ? Não, só um, só para o dono da casa. Atlético 2, Grêmio 1.

Primeiro ponto perdido pelo Grêmio por culpa da arbitragem. Agora não sei, porque se ele marca o penalty para o Grêmio, nosso time estando em vantagem contra o Atlético, não sei se não viraria um ferrolho e não seguraria o resultado de vitória fora. Mas deixemos barato.

Mas o Grêmio nesse jogo já começa a demonstrar os problemas de uma equipe sem técnico. Está muito mal taticamente. Um bando em campo. No segundo tempo melhorou um pouco. Um pouco.


Forza Gremio !

quinta-feira, 14 de maio de 2009

QUEM PÁRA* O GRÊMIO ?




Ojo que este Gremio no hace paro


El equipo brasileño, N°1 en la general, pasó a cuartos tras eliminar fácil a San Martín de Porres: 5 a 1 en el global. Anoche le ganó 2-0 en Porto Alegre, con un gol de Jonas y otro del argentino Germán Herrera. Ahora va contra Caracas en cuartos.1 de 1 Festejo argentino. Maxi López la bajó y Herrera metió el segundo. (EFE)


Se dio la lógica. El mejor le ganó fácil al peor... Gremio de Porto Alegre, el equipo con mejor puntaje en la fase de grupos, goleó 5-1 en el global de la serie a Universidad de San Martín de Porres, el conjunto peruano que ingresó a los octavos de final por la ventana. Ayer, en Brasil, el local ganó 2-0 (había sido 3-1 en Perú).


Lo de Gremio es cosa seria. En esta Copa jugó ocho partidos, de los que ganó siete y empató uno. Ayer, dominó a un rival débil. ¿Puntos altos? La seguridad de Réver en el fondo y el toque de Souza y Tcheco en el medio. El segundo gol fue bien argentino: Maxi López se la bajó a Germán Herrera, quien definió bien.Así, Gremio se sumó a los cuartos de final de la Copa, donde ya están Palmeiras y Nacional (U) (juegan entre sí), San Pablo y Caracas. Justamente los venezolanos van contra el equipo de Porto Alegre.


Esta noche Boca juega su primer partido de octavos, en Montevideo ante Nacional, y también se enfrentana las 19.30 Universidad de Chile y Cruzeiro, que ganó 2-1 en Chile en la ida. Y Libertad-Estudiantes (0-3 en la ida) a las 22.00.


* - Infelizmente continuarei escrevendo errado, após reforma da língua portuguesa ficou impossível em alguns casos diferenciar "pára" de "parar alguma coisa, freiar" de "para" de "ir para algum lugar". Em casos como esse, rebelarei-me contra a nova forma, e utilizarei a bem conhecida e bastante efetiva forma antiga. Digam-me que não posso.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

PEIXE ESPINHENTO

ESTREIA DIFÍCIL

Conforme eu esperava, foi uma estreia complicada, um jogo encardido, difícil.
Na verdade, um jogo de normalidade. Nada de agradáveis papinhas como San Martin, Boyacá e Auroras, e sim um dos principais clubes do país, que tem história e força TANTO QUANTO o Grêmio.

Acho que agora tudo que eu disse começa a fazer sentido para aqueles que não entendiam minha ode ao uso do time titular sempre. Vimos que nossa equipe, em quase completo desentrosamento, não consegue arquitetar situações de jogo se caras como Souza e Tcheco estiverem anulados pela marcação adversária.

De qualquer forma Maxi López fez ótima partida novamente, apenas não tendo conseguido o gol por causa da trave. Ainda Souza bateu espetacular falta no fim do jogo mas não conseguiu vencer o bom goleiro do Santos, que impediu algumas boas finalizações do Grêmio.

Outro comentário importante a se fazer é que Rospide cometeu seus primeiros erros, sob minha ótica, enquanto treinador interino do Grêmio. Era visível a falta de funcionamento de Tcheco e Jonas, mas o primeiro a ser substituído, e POR UM VOLANTE, foi Máxi López. Já vi isso antes e me pareceu um movimento do clássico chama-derrota do Celso Roth.

Para que nós possamos ver que burrice às vezes pode ser contagiosa, pode passar por osmose...

Mas em linhas gerais, gostei muito. Um Grêmio que, fora Tcheco, muito faltoso e pouco criativo, e Souza, anulado pela marcação adversária, foi guerreiro, foi raçudo, e, na minha singela opinião, faz a coisa certa pela primeira vez no ano, dando a cara para bater, enfrentando a dura realidade, e enterrando aquele papo de que "nós estamos na Libertadores, esse é um campeonato menor".

MUITO BOM GRÊMIO, VALENTIA E GALHARDIA SEMPRE FORAM TUAS CARACTERÍSTICAS,

Não vencer não é problema, o problema é não lutar...

quinta-feira, 7 de maio de 2009

CENTROAVANTE, NOVAMENTE...

A equipe do Grêmio ontem fez por merecer apenas elogios. Apenas.

Toda minha crítica por falta de raça, vontade, ou administração de partidas não-ganhas-ainda desta feita não aparecerá.

O time portou-se como gente grande. Não enervou-se em momento algum, mesmo quando sofreu o gol de empate, que em nenhum momento correspondeu a qualquer falha cometido pela zaga ou pelo goleiro do Grêmio, mas sim, de total crédito do atacante adversário.

Mas atacante por atacante, Maxi López estava em campo. E demonstrou nos três gols do Grêmio, no primeiro escorando para o Souza e ele mesmo fazendo os outros dois. E aliás, que cabeçadas hein ?!? Coisa de centroavante. Coisa de matador.

O Grêmio encontrou um matador. Máxi López vai surpreender muita gente. Eu já estou convencido, o cara tem extrema habilidade, mobilidade, presença de área, marca saída de bola...

Se está emprestado, por favor comprem-no.

Sobre o Souza, tchê, não há o que dizer, não há como descrever, só assistindo a ele jogar mesmo... Assistam sempre que puderem, vale a pena, é CRAQUE de futebol...

E o trabalho do Rospide tem na simplicidade e no entendimento do momento dos jogadores um brilho que faz com que enxerguemos a necessidade de que ele seja um dos principais elementos de nossa comissão técnica, mesmo quando estiver encabeçada pelo Autuori.

FORZA GREMIO !

quarta-feira, 29 de abril de 2009

AD INFINITUM

Na verdade, acredito que sou um dos gremistas mais chatos que existem no mundo. E continuarei propagando minha loucura crítica ad infinitum.

Todos estão contentes e felizes. Já começam esboçar cutucadas nos adversários. Diz-se do Grêmio ser melhor time das Américas.

Senhores, se ainda não perceberam, o grupo do Grêmio era o grupo mais fraco da Libertadores 2009. Outrossim, faz-se necessário que o Grêmio realmente tivesse acumulado mais pontos do que outros concorrentes, que não tiveram tal chance em grupos com times mais expressivos.

Ainda diz-se que o Grêmio pensa em utilizar time misto no Brasileirão. Mas será mesmo que não foi aprendida a lição? O foco tem que ser EM TODOS OS JOGOS. VITÓRIA SEMPRE. Se não der, não deu, claro que existirão times mais fortes e ajustados que o Grêmio, e isso é inegável.
Agora, se prestaram atenção à partida de ontem, viram que o Grêmio tem individualidades, tem qualidade sim, um grande goleiro no Victor, um centroavante de trabalho incessante, como tem sido o Maxi. Tem também a habilidade extrema de Souza, um diferencial até então em nossa equipe. Tem Léo, tem Jadílson, que não sei o que faz na reserva. Mas, em detrimento disso, nosso time tem pouquíssima mecânica de jogo. Ontem, vi que Marcelo Rospide começa fazer aparecer seu trabalho, onde o Grêmio aparece com algumas jogadas mais elaboradas pelos flancos e com algumas jogadas ensaiadas nas cobranças de falta. Mas isso NÃO É O BASTANTE.

O Grêmio precisa repetir a equipe, e não deixar o início do Brasileiro para trás, e sim utilizá-lo como laboratório para fazer isso. Para enfrentar os mata-matas a coisa vai ser bem diferente do que essas agradáveis papinhas que foram o Boyacá, o Universidad de Chile e o risível Aurora.

O segundo tempo do jogo de ontem me preocupou. A equipe largou de mão o jogo de uma forma tal que nosso goleiro até penalty teve que defender onde deveríamos ter feito uns 5 ou 6 gols. Típico dos dias de chinelinhos que nossos jogadores andaram vivendo.

ESTÁ NA HORA DE VOLTAR A TRABALHAR SÉRIO.

O Grêmio e a imensa massa tricolor está de parabéns. Mas agora o bicho vai pegar...

Forza Gremio !

quarta-feira, 22 de abril de 2009

VALE A PENA ESPERAR AUTUORI ?

Com essa dúvida em mente visitei a Wikipedia, e obtive o curriculum vitae de nosso pretendido comandante, o que me fez avaliar o momento positivo de Marcelo Rospide, e acreditar que valha a pena esperar por Paulo Autuori, confira:


Paulo Autuori de Melo (Rio de Janeiro, 25 de agosto de 1956) é um treinador brasileiro de futebol.


Tem formação em Educação Física (Universidade Castelo Branco); Administração Esportiva (PUC-RJ); Curso de Treinadores de Futebol (UERJ).
Passou por equipes de Portugal como Nacional, Vitória de Guimarães, Marítimo e Benfica; do Brasil, como Portuguesa (RJ), Botafogo, Cruzeiro, Flamengo, Internacional e Santos; e do Peru como Alianza Lima, Sporting Cristal e Seleção Peruana.



No final de abril de 2005, após se demitir do comando do Peru, devido a divergências com a confederação peruana, foi contratado pelo São Paulo FC para substituir Émerson Leão, que foi para o Japão. Conquistou a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes.
Em 2006, Paulo Autuori assinou contrato para treinar o Kashima Antlers, time do Japão. Após o fracasso da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2006, seu nome chegou a ser cogitado para ser o novo treinador. Em 5 de dezembro do mesmo ano, é anunciado como novo treinador do Cruzeiro, mas após o vice-campeonato mineiro, se demite. Foi anunciado como treinador de uma equipe do Qatar, o Al-Rayyan.




Títulos












Forza Gremio !!!

quarta-feira, 8 de abril de 2009

O MAIOR ERRO DO GRÊMIO





E reproduzo na íntegra, ipsissima verba, pois concordo com até as vírgulas do texto do Wianey...



O GRANDE ERRO COMETIDO PELO GRÊMIO


Ser desclassificado no Gauchão não é, para o Grêmio, um grande problema. O clube, por seus porta-vozes, repetiu à exaustão que o campeonato estadual não era sua prioridade.
Foi surpreendente até que tenha sido uma derrota no Gauchão a causa da demissão de Celso Roth. Se o Gauchão não importava, por que demitir o treinador? Mas, repito, cair fora deste campeonato não deveria ter afetado o humor do Grêmio. A razão para apreensões não é a desclassificação mas, sim, o atraso na consolidação da equipe.
Ninguém, salvo escassas exceções, deixou de compreender que a Libertadores da América era a competição mais importante e, portanto, priorizá-la, uma imposição sensata e compreensível. Como fazê-lo, esta era a questão crucial. E o Grêmio, no entendimento deste modesto comentarista, errou feio ao ignorar que um time precisa jogar para se afirmar.
Equipes não se formam no vestiário ou na concentração, mas apenas dentro do campo, jogando, enfrentando as durezas dos confrontos. O time gremista jogou pouco, em nome do temor de lesões, contingência inerente ao futebol. Jogadores se machucam jogando, treinando (caso de Alex Mineiro), independente da qualidade do adversário. Uma verdadeira lavagem cerebral foi executada no vestiário do Grêmio, incutindo nos jogadores a política da preguiça. Trabalhar?
Ora, se o trabalho implica risco de lesões, não vamos trabalhar. Assim, o time titular do Grêmio enfrentou o São Luiz, no Olímpico, em uma segunda-feira, e programou-se para trabalhar, novamente, apenas na terça-feira da semana seguinte. Um acidente de percurso determinou que fosse antecipada a sua volta ao trabalho, no Gre-Nal.
Na terça-feira, o Grêmio titular voltou a campo para encarar um adversário tão fraco quanto os mais fracos disputantes do Gauchão. Quase um jogo-treino, sem grandes desgastes. Voltará a trabalhar, agora, na quarta-feira da próxima semana. Treinar faz bem, mas jogar é essencial. Jogando pouco, o time não fina, fica carente de força coletiva, dependente de soluções individuais. É o caso do Grêmio.
O Gre-Nal não deve iludir. Este foi um jogo especial. O treinador escalou o time com quatro zagueiros, transformou Souza em ala, preparou-se para não perder e quase acabou ganhando por força da sua principal virtude: a bola parada. Futebol coletivo, entretanto, foi e continua abaixo das necessidades do Grêmio.
O erro, portanto, foi estimular o torcedor a inticar com o Inter que não disputa esta Libertadores, desviando a discussão do ponto quer mais interessava ao Grêmio: dotar o time de conjunto e força coletiva suficientes para transformá-lo em um efetivo candidato ao título sul-americano. Tomara que ainda haja tempo para compensar o atraso da preparação.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

DEMOROU...

Demorou a diretoria Gremista a entender o recado hein ...

Confirmado agora às 00:23 do dia 06, no tele dormindo da RBS a demissão de Celso Roth.

Agora só os grenais do brasileiro. Espero que não estejamos priorizando mais nada além de ganhar todos os jogos, até lá...

E Roth, vais sem a mínima saudade da torcida que nunca respeitaste. Que alcance teus objetivos, longe do Grêmio.

FORZA GREMIO, AGORA VAI...

domingo, 5 de abril de 2009

DERROTA ANUNCIADA - DIRETORIA CONSEGUE O QUE QUER

O GRÊMIO NÃO QUER MAIS TORCEDORES !

Que tristes esses dias por onde terei que deixar escrito para meu filho que o seu pai torce para um time que escolhe quando vai honrar sua camiseta e quando não vai.

Que infância dourada aquela em que eu acompanhava pelo rádio as partidas do Hexacampeonato Gaúcho do Grêmio no fim da década de 80 e início da de 90.

O Grêmio hoje entristece seu torcedor porque faz vergonha com suas derrotas planejadas, orquestradas por Duda / Krieger / Roth. O Grêmio não vê prazer na partida de futebol. Acha que é uma obrigação pesada jogar os jogos de futebol. Seria melhor que reclamões como Souza e Tcheco fossem jogar em outra equipe. Em alguma equipe que não queira jogar futebol. Porque o nome do Grêmio é Grêmio FOOT-BALL Portoalegrense.

Nunca vivi antes momentos onde a torcida do Grêmio fosse obrigada à tão humilhantes derrotas, tivesse sua forma de torcer no estádio criticada pela direção, e, após sucessivas derrocadas frente ao seu maior rival, ainda tivesse um presidente se expondo ao ridículo de ter que solicitar ao seu torcedor que não lhe abandone.

Como não abandonar o Grêmio Duda ? Só sendo desmiolados loucos inconsequentes como nós. Porque apenas apaixonados incondicionais feitos cães domésticos e domesticados para permanescer no séquito daquele que lhe chuta, que lhe despreza, que não lhe quer...

O Grêmio hoje, não quer mais torcedores. Torcedores, como o próprio nome diz, torcem pela vitória. O Grêmio não quer ganhar. Só a Libertadores.

Mas e se a Libertadores não quiser o Grêmio ?

sábado, 4 de abril de 2009

A COVARDIA E O OPORTUNISMO, OU A ESTRATÉGIA EQUIVOCADA ?

Fico a me perguntar no fim das contas o que acontece com o Grêmio, após essa derrota acachapante frente ao Caxias. Ora, o Grêmio não há de querer que aceitemos essa derrota sem nem um pio de reclamação não é mesmo ?

Sinceramente vejamos, o Grêmio, desde o início do ano, ao invés de montar uma equipe capaz de enfrentar todos os desafios que o Grêmio, enquanto instituição, enfrentaria no ano, montou um planejamento equivocado. O grupo de jogadores é muito bom. As possibilidades de time são excelentes. O problema é o tal planejamento. Pelo que nós torcedores entendemos, o plano do Grêmio é deixar de disputar o Gauchão. O plano do Grêmio é ter um grupo com cerca de 25 oportunistas folgados e covardes. Ou seria o único covarde o senhor treinador, que não tem culhões para peitar essa estratégia derrotista ridícula e estapafúrdia ?

O povo gremista não quer saber das desculpas que virão depois do domingo. Porque afinal de contas o Grêmio não agiu com galhardia e colocou a treinar uma única equipe ? E reforçou-a, e treinou-a, e repetiu-a ? Essa história de planejamento para perder não me convence. Como é que tu planifica-te para a derrota ? O futebol é vitória, não é derrota... E ainda mais o Grêmio planificar-se para perder para o Internacional.

Podem me pintar como medroso. Mas não, sou realista. Não confio na equipe do Grêmio, não por causa de suas peças, que são de primeira linha e grandeza em minha opinião. Mas sim por causa da completa falta de mecânica de jogo dessa equipe que desde janeiro, deve ter jogado no máximo dos máximos umas sete ou oito vezes junta.

Poxa, o povo, a plebe, gorda e sedentária, não ganha nada, pelo contrário, paga para jogar nas quadras e campos de sete por aí a fora e jogam umas três vezes por semana. Ou os tenistas, caras que quando estão nos campeonatos a valer jogam por 4 ou 5 horas ininterruptas e após suplantar o adversário, passa para a próxima fase, no outro dia ou 48 horas depois.

Se nossa equipe tem mesmo atletas, planejemos para além de qualquer outra coisa, antes de mais nada, honrar a camisa do Grêmio, e tentar ganhar TODOS OS JOGOS que o Grêmio vier a jogar.

quinta-feira, 26 de março de 2009

FRANGO DÁ VITÓRIA E LIDERANÇA



Se não fosse pelo frango engolido pelo bom goleiro do Aurora, estaria eu cá a falar sobre o novo festival de desperdício que toma conta do ataque tricolor.

É impressionante a quantidade de oportunidades desperdiçadas. E ontem, o fantasma do "Quem não faz, leva" mostrou a sua cara. Caso o Grêmio queira enfrentar de frente a Libertadores, terá que fazer muito mais coletivamente. Souza, dito craque, ontem mostrou-se um grande "fominha". Tcheco, bateu aquela falta no final e o goleiro adversário salvou a noite do Grêmio saboreando enorme frango.

Não sei, mas acho que falta alguma coisa no time. Como sempre disse, acho que é entrosamento. Acho que o time tem que jogar mais junto. Acho que o Gauchão está aí e é ótimo laboratório.

Forza Gremio

quinta-feira, 19 de março de 2009

COMO AS COISAS DEVEM SER

AGORA SIM

Exatamente como eu sempre disse: o time titular em campo não vai se desgastar, ou se quebrar, porque é muito superior aos adversários do Gauchão. Simplesmente por causa disso.

Nunca vi time se firmar sem jogar junto e o Grêmio já estava entrando naquelas de não se saber mais quem era o titular de qual função.

Muito bem Celso, agiste com bom senso, escalaste corretamente, e deste chance a quem precisava para começar a adquirir a auto-estima necessária para participar de um time vencedor.

Ontem, apesar de acompanhar pelo rádio e somente após poder acompanhar os melhores momentos, foi notório que o time, sendo muito superior, dominou desde o início, com gols de atacantes, alas, e até de ... hummm... Tcheco.

Será a sombra do Renato ? Será que uma sombrinha não faz bem à saúde hein ???


Forza Gremio !!

A VONTADE DE MAKELELE

AS VONTADES

Estava ludicamente a entreter-me assistindo a partida do Grêmio contra a fraca equipe do Sapucaiense, quando um fato acontecido durante o jogo pôs-me a pensar sobre as diversas vontades dos jogadores de futebol e como elas afetam uma partida.

http://www.youtube.com/watch?v=FLmQh23GXpk

Observem o gol de Makelelê, ele pressiona a saída de bola do volante do Sapucaiense, tabela, recebe a bola no "tempo futuro", ou seja, na frente, avança com força, evita o combate, escapa de pegada forte do zagueiro, limpa para a direita e bate na saída do goleiro. Um belíssimo gol. Um gol que evidencia a vontade do autor.

Um comportamento em especial leva-me à coluna de hoje, sobre o jogo. A resistência de Makelelê em não cavar o penalty e optar por bater em gol. Ele foi galhardo, voluntarioso, corajoso, e, como eu gosto de dizer, não teve medo de ser feliz. Existe uma infinidade de jogadores que nessa mesma situação, ao sentir o toque forte do zagueiro, projetariam-se ao terreno e deixariam tudo nas costas do árbitro. Por não ter feito isso, Makelelê, recebe toda a minha consideração, todo o meu aplauso, e mostra-se sim, como digno de envergar o manto sagrado tricolor. Makelelê sentiu-se à vontade para marcar o gol, e com isso decidiu-se pelo certo, pelo sensato, pelo mais bonito, não se jogar, e sim acreditar em si mesmo, deslocar o goleiro e fazer o gol.

Que belíssima demonstração de como se joga futebol. Com vontade, com espírito de luta e com muita garra. Parabéns Makelelê. Se pudesse aposto que ensinarias aos teus colegas...

quinta-feira, 12 de março de 2009

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA


GRÊMIO 1 x 0 BOYACA CHICÓ


O EFICAZ GRÊMIO

Aproveitando-se acertadamente dos únicos efeitos realmente visíveis da tal altitude de Tunja, o Grêmio foi eficaz. Venceu a partida.

De qualquer sorte, digo que essa partida tem de ser examinada com cuidado, pois ela não demonstra de todo tudo aquilo que se passou. O Grêmio, irritantemente durante a primeira etapa, esperou o adversário, Boyacá Chicó, tocar a bola e vir para cima. Parece que de alguma forma Celso Roth ainda não entende como se sente o gremista. O gremista não aguenta mais ser pressionado pelos adversários. Ok, ok, o Grêmio não foi pressionado ontem. Mas apenas não foi pressionado porque a equipe adversária possuía um péssimo arremate para as pouquíssimas jogadas que conseguiu fazer. Fraco esse time do Chicó. Durante a segunda etapa sim, o Grêmio me pareceu mais aguerrido, com mais vontade de marcar. Apesar de acreditar que os ânimos mudaram aos 32´ do primeiro tempo, quando Souza seguiu boa dica de Alex Mineiro e fuzilou o goleiro adversário, acho que se o gol não tivesse acontecido daquele jeito, talvez não acontecesse.


O INEFICIENTE GRÊMIO

É impressionante o quão ineficiente o Grêmio tem mostrado-se nas partidas da Libertadores-09. É um desperdício que remete automaticamente à velhos chavões como o: "quem não faz, leva".
Ontem, antes do fim da partida eu já aguardava o empate, porque o Grêmio jogou no mínimo três grandes oportunidades pela janela... Ou fora da janela... A eficiência em uma partida de futebol pode decidir. O Grêmio precisa urgentemente olhar com mais carinho para a questão arremate. Sei que o Roth já andou dando foco nisso, mas tem que dar mais, muito mais.
Uma boa seria se ele fosse valente e os jogadores menos omissos e o Grêmio resolvesse encarar de frente o Gauchão. Com time quente, mas sem o compromisso. Sabe-se que equipes com sangue doce tendem a jogar melhor do que as extremamente comprometidas. O Grêmio precisa jogar muito para acertar a mecânica de jogo, que acho que ainda está faltando. Em todas as partidas há um festival de passes errados. Bem, trabalho a ser feito há. Dizem que o Celso é trabalhador e não duvido. Então que ponham-se todos a tornar o Grêmio mais eficiente.




FIM DE TEIMOSIA


Parece-me que finalmente então Celso Roth aprendeu a lição. Futebol é um jogo onde quem fizer mais gols vence. Parece fácil. Mas para alguns, como o Roth, parece muito difícil. Ontem ainda alguns resquícios de MEDO. O início do jogo foi jogado com medo. A marcação do Grêmio não é a que foi vista no início do jogo de ontem. TEM QUE CHEGAR JUNTO. Cercar apenas não adianta. Na minha opinião o Chicó só não ganhou porque tem um ataque muito ruim, porque a equipe de uma maneira geral soube girar a bola, fazer linhas de passe e teve muito, mas muito mais posse de bola que o Grêmio.






O FIM DO CHUTÃO


Outra coisa que foi acabando ainda DURANTE o jogo de ontem foi o chutão. Afastar a bola quando do ataque adversário é plenamente normal, até prefiro assim, do jeito que o Rafa Marques estava a fazer ontem, com bagos homéricos para todos os lados. O problema é o SAIR JOGANDO. Tem que sair jogando com a bola no chão, tem que parar com os "lançamentos". Esses "lançamentos" são horríveis rifas da posse de bola, logo quando o time tem que ter posse de bola. CHEGA DE CHUTÃO, PELO AMOR DE JUPITER CAPITOLINO. Ontem, conforme o Grêmio foi se acalmando, o MEDO indo embora, o gol acontecendo, o CHUTÃO foi sumindo. O CHUTÃO tem que sumir para sempre. Enquanto "lançamento", sumir para SEMPRE !
É como outro grande velho ditado do futebol: "A bola é feita de couro, o couro, da vaca, e a vaca gosta de grama, ENTÃO PÕE A BOLA NA GRAMA!!!"




FORZA GREMIO !
scalamato@gmail.com

sexta-feira, 6 de março de 2009

50 MOMENTOS DE CELSO ROTH

Está rolando aí nos blogs:

1.Celso Roth joga par ou ímpar com o espelho e perde. PEDINDO PAR!
2.O novo PES 2010 terá um novo modo: Very Hard, Hard, Médium, Easy, Very Easy, Amateur e Celso Roth Mode
3.Os criadores de PES e Winning Eleven não colocam técnicos nos jogos porque teriam que fazer Celso Roth, e o atributo “mentality” só vai até o 1
4.O maior feito na carreira de um jogador de futebol não é fazer 1000 gols. É ganhar um título com o Celso Roth no comando do time
5.Se Celso Roth ainda não fez merda, é porque ele ainda não definiu a escalação
6.Celso Roth não ganha a partida nem quando o outro time está com 6 jogadores em campo
7.Roth jogou roleta russa com um revólver completamente descarregado e perdeu
8.Se o Roth tem 1000 reais na carteira e você tem 5 reais, você tem mais dinheiro que o Roth
9.Roth perdeu o “Chuck Norris game”
10.Celso Roth perde mesmo quando faz Royal Flush
11.Roth jogou jogo da velha consigo mesmo e perdeu
12.Em Shrek, o papel do burro caberia inicialmente ao Celso Roth. Mas o IBAMA protestou, alegando que era uma ofensa aos burros.
13.Celso Roth tem QI negativo
14.Os jedis podem controlar a mente de Celso Roth
15.Se você acertar em algo um dia, fique tranqüilo, você obviamente não é Celso Roth
16.Celso Roth perdeu a virgindade depois do filho
17.Se você procurar no google por “Celso Roth ganha um título”, nenhum resultado será encontrado, por motivos óbvios.
18.Celso Roth leva 90 minutos pra passar uma hora
19.A famosa frase de Einstein “Apenas uma coisa eu tenho certeza que é ilimitada: a ignorância humana” foi dita depois que ele conheceu Celso Roth
20.Roth perdeu para ele próprio jogando Football Manager
21.Celso Roth faz uma cebola chorar
22.Deus ora para que Celso Roth fique inteligente.
23.Celso Roth foi reprovado num vestibular onde apenas ele participou.
24.Dizem que a ilha de “Lost” na verdade é o cérebro de Celso Roth
25.Quando Celso Roth nasceu, o doutor em vez de dar um tapa nele, deu no pai dele
26.Quando Saddam Hussein estava para ser morto ele poderia escolher entre ser enforcado ou ver Celso Roth treinando seu time. Ele preferiu a primeira opção.
27.Roth não é politicamente correto. Ele nunca está correto. NUNCA
28.Nos tempos de ditadura no Brasil as pessoas escolhiam se preferiam ser afogadas e levar choque, ou ver Celso Roth treinando o seu time.
29.Celso Roth já teve outras carreiras além de treinador. Em 1929, ele trabalhava na Bolsa de Valores.
30.Quando Celso Roth lê um livro, o livro fica burro
31.Para cada burrice cometida no mundo, Celso Roth comete mais oito
32.O diabo criou o inferno porque não suportava mais o Celso Roth
33.Conte até dez... Esse é o tempo que Roth demora pra fazer merda. 42 vezes.
34.O tamagochi do Celso Roth já veio morto.
35.Quando pensou que estava errado, Celso Roth acertou pela primeira vez na vida.
36.Outras carreiras de Celso Roth? Ele já dirigiu um barco chamado titanic, e recentemente pensou em mudar de profissão, ao tentar ser piloto de avião da TAM
37.Celso Roth inventou a palavra “burrice”
38.Mandar o Roth pro inferno não adianta nada, muito pelo contrário, pois você compra uma briga feia com o diabo.
39.Na bandeira do Brasil, as bolinhas vermelhas significam o número de vezes que Celso Roth ganhou um título
40.Celso Roth só possui membros inferiores, afinal, ele nunca é superior em nada
41.Sorte de hoje: Você não é Celso Roth
42. Se parece com galinha, cheira como galinha e tem gosto de galinha, Celso Roth diz que é um bife
43.Celso Roth não tem reflexo no espelho. O reflexo tem vergonha de aparecer
44.O cúmulo da burrice não é Celso Roth. E sim contratar ele para o seu time
45.O teclado de Celso Roth não tem a tecla “Ctrl”. Ele nunca está no controle!
46. Como disse o presidente americano Roosevelt: "Não temos nada a temer a não ser o próprio medo. E Celso Roth treinar o nosso time.”
47.O estádio dos Aflitos tem esse nome desde que Celso Roth decidiu treinar o Náutico
48.Dunga decidiu ser treinador quando Celso Roth disse que ele tinha potencial
49.Quando Celso Roth fuma maconha, o baseado fica doidão
50.Jogando Counter Strike, Celso Roth morreu com um Flash Bang.

quinta-feira, 5 de março de 2009

O TEMPO QUE PASSOU

Infelizmente, como diria um nem tão surrado ditado: "O presente é o futuro se tornando passado a todo momento." Infelizmente para o Ronaldo, que nem de longe aparenta ser o que já foi.

Que saudade daquelas Copas do Mundo em que esse cara despertou toda a minha torcida para que anotasse os gols para a nossa seleção canarinho. Quando assisto as cenas de Ronaldo tentando jogar, me sinto velho, me sinto passado. Me sinto GORDO.

Me pergunto como caras como o Herrera, que chegou ao Grêmio com cerca de 9 quilos acima do peso, fazem para ficar fininhos fininhos, como é o caso do Herrera, mas não é o caso do Ronaldão. Com visível barriga e "bumbum" o cara está parecido comigo. Acho que tem algo de diferente no comportamento extra-campo do Herrera e do Ronaldo. Ronaldo está faz tempo no Corínthians, mas o Herrera recém chegou, e em cerca de umas três semanas se pôs em forma. Já o Fenômeno já recebeu multa por festas, já se envolveu em confusão. Poxa, será tão difícil assim "baixar a bola" ?

Coitado do Mano. O Mano sempre foi um cara sério, admiro demais o trabalho dele. Agora, fico com pena dele, sei que não é dele a vontade de escalar um cara desses. De qualquer jeito ele vai ter que criar um esquema para privilegiar o gordo a fim de que o Corínthians não seja o ponto final do veterano centroavante. O Corínthians enquanto time, na minha singela opinião, será uma piada enquanto estiver com Ronaldo em campo. Tudo por causa do marketing, das verdinhas, do capital...

PORQUE SOMOS ATEUS - por Henrique Carneiro

Pessoal, ótimo fragmento obtido em minhas andanças, repliquem, se quiserem e conseguirem, estou pronto pro debate. Abraço

***

PORQUE SOMOS ATEUS

A idéia de deus, desde o surgimento do Estado, tornou-se o fundamento do poder. A palavra “hierarquia” significa, nos seus radicais gregos hieros e arquê, “poder do sagrado”. Os sacerdotes foram os primeiros agentes do aparelho coercitivo do Estado. Duvidar dos deuses, portanto, sempre foi, na história das civilizações, um crime contra o Estado. Por isso, o ateísmo sempre foi uma doutrina clandestina, perseguida, denunciada, estigmatizada, e seus porta-vozes são, por milênios, praticamente inexistentes na história do pensamento.

Apenas a partir da época moderna da Ilustração que o livre-pensamento, o direito à dúvida e a descrença e, até mesmo, a afirmação da inexistência de deus, tornaram-se públicas, mesmo com a continuidade da vigência da censura policial dos livros e da perseguição aos ateus. Na verdade, só mesmo no século XX, e assim mesmo tardiamente, que o ateísmo pode tornar-se uma opinião tão legítima como qualquer crença religiosa. Mesmo hoje em dia, praticamente nenhum estado é efetivamente laico, havendo sempre concessões no campo da isenção de impostos, do acesso à educação, etc. Há cruzes nos parlamentos e tribunais e jura-se sobre bíblias oficialmente.

O ateísmo existe como uma antiga herança materialista da filosofia grega e como um recente movimento social e intelectual dos séculos XIX e XX. Nesse período, tanto o marxismo, como anarquismo, o liberalismo e o positivismo manifestaram, de alguma forma, uma carga maior ou menor de ateísmo explícito ou atenuado na formulação de “agnosticismo”, que foi usada por pensadores como Bertrand Russel, por exemplo.

Para esboçarmos uma definição geral, poderíamos dizer que o ateísmo recusa a idéia de que o destino do mundo esteja nas mãos de qualquer deus, admitindo no seu lugar a combinação das determinações naturais, do acaso e, particularmente, da vontade humana que, tanto no âmbito individual como no coletivo, representa um fator central para a descrição das histórias das vidas e das sociedades, no sentido de tentar compreendê-las.

O ateísmo pressupõe, portanto, o primado da liberdade humana e de uma busca de autonomia sobre si na determinação do destino humano. A idéia de um desígnio, ao contrário, se apresenta como uma explicação das coisas pelos encadeamentos de uma vontade sobrenatural que escaparia ao nosso alcance.

Desde a antigüidade clássica que alguns filósofos gregos e latinos questionaram a noção de um deus criador ou controlador do universo como algo incongruente. Mesmo sem sustentarem um ateísmo coerente e integral (lembremo-nos sempre que o debate do ateísmo sempre se fez de forma clandestina e, portanto, cifrada, sem uma exposição pública total de idéias cujo preço a se pagar por sustentá-las podia ser a morte ou até mesmo pior do que a morte, a tortura e a humilhação), se tornaram os marcos do pensamento cético e crítico das visões de mundo das religiões. Desses filósofos, o mais influente foi o grego Epicuro (341 a.C. a 270 a.C.), cujo nome passou a designar até hoje, no senso comum, uma atitude mais ou menos hedonista, o “epicurismo”, o que, na verdade, se oporia à postura real do filósofo, muito mais dirigida para o “equilíbrio” e a “moderação”.

Mas, além do elogio dos prazeres e do seu uso equilibrado, Epicuro caracterizou-se por ser o primeiro a argumentar contra a idéia de que o destino é governado pelos deuses (mesmo que não afirmasse que eles não existiam). Sobre a idéia de um destino comandado pela vontade divina, Epicuro, num fragmento famosos dizia: “Deus, ou quer impedir os males e não pode, ou pode e não quer, ou não quer nem pode, ou quer e pode. Se quer e não pode, é impotente: o que é impossível em Deus. Se pode e não quer, é invejoso: o que, do mesmo modo, é contrário a Deus. Se nem quer nem pode, é invejoso e impotente: portanto, nem sequer é Deus. Se pode e quer, o que é a única coisa compatível com deus, donde provém então a existência dos males? Por que razão não os impede?”.

Este tornou-se o argumento moral clássico contra a existência de um deus supostamente bondoso: por que existe o mal?Contra o medo dos deuses, Epicuro assim como o seu discípulo latino Lucrécio (98 a.C. a 55 a. C.) afirmaram idéias revolucionárias, muitas se aproximando de uma física verdadeiramente moderna, contrárias ao pensamento dominante de sua época e dos quase dois milênios que se seguiram, tais como:

  • Nada se pode criar do nada.
  • Não pode tudo nascer de tudo.
  • Nada se aniquila inteiramente.
  • O vazio existe.
  • Tudo está em contínuo movimento.
  • Não há desígnio.
  • Não há centro no universo.
  • O mundo não foi criado para nós.
  • Há outros mundos.
  • O espaço é infinito.

Essas idéias ofereciam uma interpretação do curso dos fenômenos do mundo natural e humano em que não havia lugar para uma ação ou criação divina, nem para a interferência sobre o curso da natureza de forças “sobrenaturais”. Por isso, pode se chamar essa concepção como “naturalista” e “materialista”.

Também em relação à alma, Epicuro enfrentou as crenças de sua época, defendendo a tese de que, ao morrer o corpo, a alma também se dissipa, pois só existe com o corpo e um espírito não poderia ser dotado de sentidos, pois estes dependem de órgãos carnais. Como escreveu Lucrécio: “toda a substância da alma se dissipa como o fumo nas aladas auras do ar”. A morte, portanto, nada é para nós, pois quando ela vem, já não somos e quando não somos nada sentimos.

O destino do mundo na visão epicuriana, em última instância, tenderia a uma destruição da ordem atualmente existente entre céus e terras. O mundo não se formou conforme um plano, mas pelo movimento dos elementos. Assim, todos os fenômenos temidos na vida individual e coletiva como doenças ou trovões, raios ou terremotos possuiriam causas naturais e nem a morte ou a salvação, a doença ou a cura, a fortuna ou o desatre, dependeriam da vontade ou da intervenção de deuses.Lucrécio, no Livro V, do De rerum natura (Da natureza das coisas), apresentou quatro argumentos contrários a idéia de que o mundo fora criado por deuses.Três argumentos são lógicos:

1) um ser perfeito não criaria um mundo imperfeito;
2) se deus na eternidade estava em repouso por que o interrompeu?;
3) o mundo não possuía nenhum modelo.

E um argumento é ético ou moral:
4) a existência do mal é incompatível com um deus bom.

Este último ficou conhecido como o argumento da justiça (ou injustiça) divina, ou da teodicéia. Como, sendo bom, deus permitiria o mal?As idéias de Epicuro e Lucrécio existiram no mundo mediterrânico vários séculos antes de Cristo. Com o advento da cristianização do Império Romano, pela primeira vez, uma religião monoteísta tornava-se dominante numa vasta área territorial. Para impor seu domínio declarou guerra implacável contra todos os outros deuses pagãos. Mais forte ainda, no entanto, foi a repressão às idéias negadoras da existência de deus. O ateísmo foi considerado um crime terrível e praticamente desapareceu da história das idéias na Europa. Epicuro e Lucrécio foram proibidos pela Igreja Católica, seus livros queimados e seus nomes condenados ao desaparecimento.

Somente no Renascimento, as idéias de inspiração epicurista começaram a reaparecer, mas como sustentou Lucien Febvre, em seu livro clássico sobre o pensamento de François Rabelais, no século XVI a descrença ainda era algo inconcebível. Montaigne, mesmo que afirmasse a dúvida e exigisse o senso prático na análise das coisas tampouco chegaria a sustentar uma descrença em deus ou um ceticismo metodológico que se curvaria apenas diante da evidência dos fatos, conforme o método científico estabeleceria nos séculos seguintes. Muitos, como Rabelais e Villon, zombavam da Igreja, do clero, da escolástica, e mesmo de Cristo, dos santos e dos milagres, mas não chegavam a uma negação da idéia de deus como a filosofia materialista faria no século XVIII.

No início do século XVIII, o pensamento ateu encontrou um sistematizador pioneiro na figura de um padre de aldeia na França, Jean Meslier, mas que apenas numa obra póstuma revelou seu pensamento desafiador, resumido em “oito provas” que demonstravam que:

1) religiões são invenções humanas;
2) a fé é um princípio de erro;
3) as visões e revelações são falsas;
4) as promessas e profecias são ilusões;
5) a teologia e a moral cristã são absurdas;
6) a religião em conluio com a política é a causa da opressão e da miséria;
7) deus não existe;
8) a alma não é imortal.

Esse padre apenas revelou suas verdadeiras crenças depois de morrer, explicando que vivera uma terrível angústia de ter que defender publicamente o que não acreditava no seu íntimo.Voltaire, conhecendo o Testamento de Meslier ajudou a divulgá-lo, mas sob uma forma atenuada, adulterando e traindo o pensamento de Meslier. O barão D´Holbach, mais coerente, também se inspirou em Meslier e em seu Sistema da Natureza (1760), resumiu os três argumentos ateus clássicos como:

a) o da “incongruência das qualidades” (deus não pode ser bom e onipotente ao mesmo tempo);
b) o da “economia ontológica” (a natureza se basta para autocriar-se perpetuamente, não é preciso remeter sua origem e funcionamento a nada externo a ela própria);
c) o da “nocividade política” (a idéia de deus serve para reis e sacerdotes governarem um povo crédulo e ignorante).Durante a Revolução Francesa, o líder jacobino Robespierre condenou os ateus, pois, para ele, a idéia de Deus servia à manutenção da moralidade pública. Entre os filósofos iluministas, os mais ateus também foram os de origem mais aristocrática e menos democráticos (D´Holbach, La Mettrie), enquanto Diderot, assim como Hume, na Inglaterra, precisavam disfarçar seus argumentos inventando diálogos em que personagens outros que não eles próprios podiam esgrimi-los. Voltaire era um deísta (acreditava num Deus, mas combatia a Igreja), Rousseau converteu-se duas vezes, primeiro ao catolicismo e, depois, retornou ao protestantismo de sua origem.

O ateísmo não é, entretanto, apenas a não-crença em deus ou nos deuses, mas também a descrença na vida eterna. A idéia da imortalidade da alma é um complemento indispensável da noção judaico-cristã de uma justiça divina com condenações e salvações eternas no inferno ou paraíso.

As tentativas de encontrar uma explicação para o destino humano nos caprichos dos deuses sempre respondeu ao desamparo humano diante da sorte e a religião nasce como medo do futuro, especialmente da morte e das calamidades. Como escreveu David Hume, “as primeiras idéias da religião não nasceram de uma contemplação das obras da natureza, mas de uma preocupação em relação aos acontecimentos da vida”.
Quanto mais um homem vive uma existência governada pelo acaso (como jogadores e marinheiros), mais ele é supersticioso. A força da religião decorre, assim, da existência de causas desconhecidas para os males e as benesses da vida.Na história da crítica moderna e contemporânea da religião alguns pensadores de origem judaica, como Marx e Freud, ocuparam um lugar de destaque. Como comentou Isaac Deutscher, a maior contribuição do judaísmo para a humanidade foram os seus hereges que (de Cristo a Espinosa, Marx, Trotski ou Freud) desempenharam um papel central no desafio inicial da ordem vigente e na abertura do pensamento para um espaço de liberdade e amplitude de reflexão crítica. Do seio do monoteísmo original e mais estrito do judaísmo nasceram visões rebeldes, anti-dogmáticas e heterodoxas.

Para Marx, a crítica da religião é uma condição preliminar de toda crítica. A religião é o consolo de uma consciência cuja vida não tem seus nexos conhecidos. A compreensão do papel ativo da humanidade na história seria a contrapartida a todas as formas de crenças ilusórias construídas pela ignorância do que move o próprio destino.

Freud, de forma semelhante, vê na religião uma minoridade, uma recusa à responsabilidade sobre o próprio destino, uma sobrevivência da sensação infantil de amparo e temor simultâneo diante da figura paterna, e, portanto, uma neurose coletiva. Uma ilusão sustentada coletivamente como modo de vida, que ele considera, e tem a coragem de expor no seu livro O futuro de uma ilusão (1927), deverá ser superada para uma maturidade mais plena da humanidade.A linhagem do ateísmo na história do pensamento vai de Epicuro e Lucrécio, na antigüidade, a Meslier e D´Holbach no século XVIII, e Feuerbach, Marx e Freud, no XIX. (...)

Henrique Carneiro é professor do Departamento de História da USP e membro do Conselho Editorial da Revista Outubro